a las bezes por sfergantes

de tue bida zapareces

de tan pesada nun bola

alas mais fuortes mereces

//

muitas vezes por momentos

da vida desapareces

de tão pesada não voa

asas mais fortes mereces

[FR]

seguiu, abenida alantre, sien cuidar d’antrar an nanhun restourante ou café, anque tubira salido solo para almuorço, atrabessou pa l lhado de l sol, atento als semáforos i solo mirando l bastante para nun andar als ambarrones a quien passaba, chegou al fondo i bolbiu al para trás por ua outra rue, fazie por oubir l rugido de ls passos para nun deixar nanhun frisgo por adonde l pensar le podira salir al camino, i quando dou por el staba outra beç a la puorta de l trabalho, tirando ls muntonicos de cagados de stornino ambaixo la palmeira nada mais se dou de cuonta que merecira ua mirada, que las pessonas son tantas pula rue que un até se squece que son pessonas, monhecros sien paraige cumo ls carros, i pon se ua pessona a studar filosofie i daprende que las pessonas se defínen por sue culidade, i apui dá nesto, acabou por se decidir a antrar outra beç ne l trabalho que yá staba farto de almuorço i de cagados de storninos, l quemido bien podie asperar que quemer ye cousa que eisige tiempo i çposiçon al modo, bien bonda yá la fame pouca lhibardade mos deixar.

//

continuou, avenida adiante, sem se preocupar em entrar em nenhum restaurante ou café, embora tivesse saído só para almoçar, atravessou para o lado contrário, atento aos semáforos i só olhando o suficiente para não andar aos encontrões a quem passava, chegou ao fundo e voltou para trás por outra rua, esforçava-se por ouvir o barulho dos passos para não deixar nenhuma ranhura por onde o pensamento lhe pudesse sair ao caminho, e quando se apercebeu estava de novo à porta do local de trabalho, exceptuando os montículos de excrementos de estorninho debaixo da palmeira de nada mais se apercebeu que merecesse um olhar,  pois as pessoas são tantas pela rua que até nos esquecemos que são pessoas, bonecos que nunca param como os carros, e pomo-nos a estudar filosofia e aprendemos que as pessoas se definem pela sua qualidade, e depois dá nisto, acabou por decidir entrarde novo no local de trabalho, pois já estava cansado de almoço e de excrementos de estorninhos, a comida bem pode esperar pois comer é coisa que exige tempo e disposição adequada, bem basta já a fome pouca liberdade nos deixar.

 

todos te dízen para nun mexeres ne l sacho, mas bien sabes, anque nunca nesso amentes, que te morrerás cula huorta, melhor se stubir na pampoleza de sue flor, puis assi poderá chegar al fruito sien ti; al modo que ban quedando lhibres pa l sacho, ls mais pequerricos rinconicos de tierra bás rebolbendo fuora de tiempo, cierto de solo stares a probar a ti mesmo que scabar la tierra ye sempre l ampeço dua nuoba bida, i por esso scabas i scabas i scabas até que la música de ls uossos te ponga a tocar pul cuorpo todo; l paiç cabe te na çfamiada reforma, i ls governantes tenes los bien presos na telbison, eilhi a la mano para lhebáren c’un tiro certeiro de l quemando, puis assi gustaries de ls ber zaparecer: siempre le bibiste nas cuostas, i zde mui cedo daprendiste que las cuostas mui ralamente se béien al speilho; nien tu mesmo acreditas an tan grande carramelo de dies que yá bibiste, deziste me, i dás te agora mais de cuonta de que solico nun chegaries tan loinje, i por esso ganheste un modo defrente de mirar i de sticar l silenço, que ye l tou special modo de agradecer; buolbes agora al sacho, a chamar la primabera, nun se baia eilha a squecer de ti i de cumo stás purparado para (re)ampeçar mais ua beç: un die han de crecer las yerbas mais que la cuonta, i mais cierta seinha nun haberá de que ua outra huorta yá scaba l hourtelano.

//

todos te dizem para não mexeres no sacho, mas sabes bem, ainda que o não refiras, que morrerás com a horta, de preferência se estiver na força da sua flor, pois assim poderá chegar ao fruto sem ti; à medida que vão ficando livres para o sacho, os mínimos bocadinhos de terra vais revolvendo fora de tempo, certo de apenas estares a provar a ti mesmo que cavar a terra é sempre o começo de uma nova vida, e por isso cavas e cavas e cavas até que a música dos ossos te ponha a tocar por todo o corpo; o país cabe-te na esfaimada reforma e tens os governantes bem presos na televisão, ali à mão para levarem com um tiro certeiro do comando, pois era assim que gostarias de os ver desaparecer: sempre lhe viveste nas costas, e desde muito cedo aprendeste que as costas muito raramente se vêm ao espelho; nem tu próprio acreditas em tão grande pilha de dias que já viveste, disseste-me, e apercebes-te melhor agora de que sozinho não chegarias tão longe, e por isso adoptaste uma maneira diferente de olhar e de alongar o silêncio, que é a tua maneira especial de agradecer; voltas agora ao sacho, a chamar a primavera, não vá ela esquecer-se de ti e de como estás preparado para (re)começar mais uma vez: um dia as ervas crescerão mais do que a conta, e mais certo sinal não haverá de que uma outra horta já cava o hortelão.

 

 

 

yerbas na ribeira

son cuordas adonde l’auga

toca la sue moda

//

ervas na ribeira

são as cordas onde  a água

sua canção toca

 

ye stranha la moda
nubre abaixou al camino
yá buolbe l ganado

//

é estranha a canção
nuvem desceu ao caminho
regressa o rebanho

 

 

florien le uas rosas
maçanas de bida i sangre
ne l pomar de l rostro

 

stás porqui outra beç, pouco mais de mil quilómetros apuis i nien sequiera dous dies cumpletos, siempre ambaixo d’auga passeste por muitas tierras cun muita giente, stubiste an cidades adonde se trabalha cumo an formigueiro, i nanhun desses sítios ye l tou formigueiro, çtinado a quedar siempre ne l carreron cun algun çubiaco a las cuostas, buscando te sien nunca seres capaç de te achar nessa soledade acumpanhada, solo ls uocos ampalpando dessas eilusion de cumpanha birtual que nien sequiera se dá al tratbalho de preguntar por ti se tu nun stás, nua einesistença birtual que tan debrebe bai i ben cumo tue eisistença, de modo que nun tenes de stranhar puis cada metro que andas l metro que andeste quedou para trás tamien el solo para nunca mais tornar a ser andado, i tu sigues sereneo bien cunciente de que todos ls caminos son eirrepetibles; i ende scribes
ye lharga la biaije
solo pensas an bolber
nun se calha l’auga

i inda, lembrando l camino i l modo cumo la música te ajuda a passá-lo, a cubierto de la nuite:
tan lhargo l camino
cansado nunca mais chegas
Mozart an biaije

quando acabas por bolber achegas te al facebook i dás dan cun todos aqueilhes rebolucuionairos de palabras i ende screbiste
yá tenes tu dosa
reboluçon de palabras
bai fazendo algo

i decides fazer ua cura até que la gana te buolba outra beç, nien que séian solo uas horas, que nada de l que fagas ye amportante a nun ser para ti mesmo, que outros dies nun tenes i outras palabras nun sabes, puis
a la claridade
filos andebles te prénden
stá de bien cuntigo