todos te dízen para nun mexeres ne l sacho, mas bien sabes, anque nunca nesso amentes, que te morrerás cula huorta, melhor se stubir na pampoleza de sue flor, puis assi poderá chegar al fruito sien ti; al modo que ban quedando lhibres pa l sacho, ls mais pequerricos rinconicos de tierra bás rebolbendo fuora de tiempo, cierto de solo stares a probar a ti mesmo que scabar la tierra ye sempre l ampeço dua nuoba bida, i por esso scabas i scabas i scabas até que la música de ls uossos te ponga a tocar pul cuorpo todo; l paiç cabe te na çfamiada reforma, i ls governantes tenes los bien presos na telbison, eilhi a la mano para lhebáren c’un tiro certeiro de l quemando, puis assi gustaries de ls ber zaparecer: siempre le bibiste nas cuostas, i zde mui cedo daprendiste que las cuostas mui ralamente se béien al speilho; nien tu mesmo acreditas an tan grande carramelo de dies que yá bibiste, deziste me, i dás te agora mais de cuonta de que solico nun chegaries tan loinje, i por esso ganheste un modo defrente de mirar i de sticar l silenço, que ye l tou special modo de agradecer; buolbes agora al sacho, a chamar la primabera, nun se baia eilha a squecer de ti i de cumo stás purparado para (re)ampeçar mais ua beç: un die han de crecer las yerbas mais que la cuonta, i mais cierta seinha nun haberá de que ua outra huorta yá scaba l hourtelano.

//

todos te dizem para não mexeres no sacho, mas sabes bem, ainda que o não refiras, que morrerás com a horta, de preferência se estiver na força da sua flor, pois assim poderá chegar ao fruto sem ti; à medida que vão ficando livres para o sacho, os mínimos bocadinhos de terra vais revolvendo fora de tempo, certo de apenas estares a provar a ti mesmo que cavar a terra é sempre o começo de uma nova vida, e por isso cavas e cavas e cavas até que a música dos ossos te ponha a tocar por todo o corpo; o país cabe-te na esfaimada reforma e tens os governantes bem presos na televisão, ali à mão para levarem com um tiro certeiro do comando, pois era assim que gostarias de os ver desaparecer: sempre lhe viveste nas costas, e desde muito cedo aprendeste que as costas muito raramente se vêm ao espelho; nem tu próprio acreditas em tão grande pilha de dias que já viveste, disseste-me, e apercebes-te melhor agora de que sozinho não chegarias tão longe, e por isso adoptaste uma maneira diferente de olhar e de alongar o silêncio, que é a tua maneira especial de agradecer; voltas agora ao sacho, a chamar a primavera, não vá ela esquecer-se de ti e de como estás preparado para (re)começar mais uma vez: um dia as ervas crescerão mais do que a conta, e mais certo sinal não haverá de que uma outra horta já cava o hortelão.