Febreiro 2013


brancos os passos,
que nem rasto deixam;
negros os dias,
que só à janela do xaile se debruçam;
vagarosos os passos,
a apalpar a fúria do tempo;
sempre, e ainda hoje,
os paraísos nunca o foram!

//

brancos ls passos,
que nien rastro déixan;
negros ls dies,
que solo a la jinela de l xal s’assóman;
debagarosos ls passos,
a ampalpar la rábia de l tiempo;
siempre, i inda hoije,
ls paraísos nunca l fúrun

Advertisements

nada quieres recebir,

tenes cerradas las manos,

de tan rico de sobérbia,

tous pensares nun son sanos.

 

FR

inda alhínhan algues gastas piedras a acumpanhar l Douro, dun i doutro lhado, cumo quien s’achega a un dius, atadas a la punta de arressaiados carreirones cun miedo de se çfaiáren, respundendo por nomes de santos que nunca eilhi ponírun ls pies – San Paulo, Santo Andrés, Santo Albin; nunca quejírun saber de diuses que s’ancarrapítan ne ls cabeços, puis mais le cumbenien ls cielos de las Arribas, ls únicos berdadeiros, mais dóndios i serenos; ls eirmitanos yá puli nun ándan, mas inda ls beio a la selombra dua bielha oulibeira a amponer sous poemas de silenço i de delor, beladores de mundos que ne ls bielhos castros drúmen, molineiros de ouraciones i de fames; passei le la mano pulas piedras angurriadas de las paredes, i dei cumigo a manginar puortas, telhados, altares, solares, que todo l tiempo lhebou an sou saco: quedórun las formigas, l bolo de ls páixaros i de las lhembráncias, l siempre renobado béu de las aranheiras i de las nubrinas, las yerbas a marcar la primabera cun sous berdes, l fresco reçumar de ls morredeiros cun sou baile de cínfanos a la tardica, i la cama de piedra adonde las ribeiras ansáian l bruído que l’auga ha de tocar na ourquestra de l Riu; nunca naide morou naqueilhas capielhas, mas siempre ls eirmitanos fúrun casa adonde eilhas podíran caber, por esso se morrírun cumo todo l que ye houmano, zgrácia a que nien ls diuses le scapórun; deixadas a la serena rábia de l tiempo i a la fame de l matorral, aqueilhas capielhas yá solo rézan las lhembráncias, que hai ouraciones mui custosas, i até ls santos i ls que deilhes bíben yá nun stan para tanto sudor i solo le rézan a diuses adonde se puoda chegar de altemoble, que ye custoso d’aguantar tanta cuncorrença.

//

ainda alinham algumas gastas pedras a acompanhar o Douro, de um e outro lado, como quem se aproxima de um deus, presas na ponta de tortuosos carreiros com medo de se despenharem, respondendo por nomes de santos que nunca ali puseram os pés – São Paulo, Santo André, Santo Albino,; nunca quiseram saber de deuses que trepam ao cimo dos outeiros, pois mais lhe convinham os céus das Arribas, os únicos verdadeiros, mais suaves e serenos; os ermitões já por ali não andam, mas ainda os vejo à sombra de uma velha oliveira a compor os seus poemas de silêncio e de dor, sentinelas de mundos que nos velhos castros dormem, moleiros de orações e de fomes; passei a mão pelas pedras enrugadas das paredes, e dei comigo a imaginar portas, telhados, altares, chãos, pois tudo o tempo levou no seu saco: ficaram as formigas, o voo dos pássaros e da memória, o sempre renovado véu das teias de aranha e das neblinas, a ervas a assinalar a primavera com seus verdes, o fresco aflorar da água à superfície com a sua dança de mosquitos a tardinha, e a cama de pedra onde as ribeiras ensaiam o ruído que a água há de tocar na orquestra do Rio; nunca ninguém morou naquelas capelas, mas sempre os ermitões foram casa onde elas pudessem caber, por isso morreram como tudo o que é humano, desgraça a que nem os deuses escaparam; abandonadas à serena raiva do tempo e à fome do matagal, naquelas capelas apenas ainda rezam as lembranças, pois há orações muito difíceis, e até os santos e os que deles vivem já não estão para tanto suor e só rezam a deuses até onde se possa chegar de carro, que é difícil suportar tanta concorrência.

a las bezes por sfergantes

de tue bida zapareces

de tan pesada nun bola

alas mais fuortes mereces

//

muitas vezes por momentos

da vida desapareces

de tão pesada não voa

asas mais fortes mereces

[FR]

seguiu, abenida alantre, sien cuidar d’antrar an nanhun restourante ou café, anque tubira salido solo para almuorço, atrabessou pa l lhado de l sol, atento als semáforos i solo mirando l bastante para nun andar als ambarrones a quien passaba, chegou al fondo i bolbiu al para trás por ua outra rue, fazie por oubir l rugido de ls passos para nun deixar nanhun frisgo por adonde l pensar le podira salir al camino, i quando dou por el staba outra beç a la puorta de l trabalho, tirando ls muntonicos de cagados de stornino ambaixo la palmeira nada mais se dou de cuonta que merecira ua mirada, que las pessonas son tantas pula rue que un até se squece que son pessonas, monhecros sien paraige cumo ls carros, i pon se ua pessona a studar filosofie i daprende que las pessonas se defínen por sue culidade, i apui dá nesto, acabou por se decidir a antrar outra beç ne l trabalho que yá staba farto de almuorço i de cagados de storninos, l quemido bien podie asperar que quemer ye cousa que eisige tiempo i çposiçon al modo, bien bonda yá la fame pouca lhibardade mos deixar.

//

continuou, avenida adiante, sem se preocupar em entrar em nenhum restaurante ou café, embora tivesse saído só para almoçar, atravessou para o lado contrário, atento aos semáforos i só olhando o suficiente para não andar aos encontrões a quem passava, chegou ao fundo e voltou para trás por outra rua, esforçava-se por ouvir o barulho dos passos para não deixar nenhuma ranhura por onde o pensamento lhe pudesse sair ao caminho, e quando se apercebeu estava de novo à porta do local de trabalho, exceptuando os montículos de excrementos de estorninho debaixo da palmeira de nada mais se apercebeu que merecesse um olhar,  pois as pessoas são tantas pela rua que até nos esquecemos que são pessoas, bonecos que nunca param como os carros, e pomo-nos a estudar filosofia e aprendemos que as pessoas se definem pela sua qualidade, e depois dá nisto, acabou por decidir entrarde novo no local de trabalho, pois já estava cansado de almoço e de excrementos de estorninhos, a comida bem pode esperar pois comer é coisa que exige tempo e disposição adequada, bem basta já a fome pouca liberdade nos deixar.

 

todos te dízen para nun mexeres ne l sacho, mas bien sabes, anque nunca nesso amentes, que te morrerás cula huorta, melhor se stubir na pampoleza de sue flor, puis assi poderá chegar al fruito sien ti; al modo que ban quedando lhibres pa l sacho, ls mais pequerricos rinconicos de tierra bás rebolbendo fuora de tiempo, cierto de solo stares a probar a ti mesmo que scabar la tierra ye sempre l ampeço dua nuoba bida, i por esso scabas i scabas i scabas até que la música de ls uossos te ponga a tocar pul cuorpo todo; l paiç cabe te na çfamiada reforma, i ls governantes tenes los bien presos na telbison, eilhi a la mano para lhebáren c’un tiro certeiro de l quemando, puis assi gustaries de ls ber zaparecer: siempre le bibiste nas cuostas, i zde mui cedo daprendiste que las cuostas mui ralamente se béien al speilho; nien tu mesmo acreditas an tan grande carramelo de dies que yá bibiste, deziste me, i dás te agora mais de cuonta de que solico nun chegaries tan loinje, i por esso ganheste un modo defrente de mirar i de sticar l silenço, que ye l tou special modo de agradecer; buolbes agora al sacho, a chamar la primabera, nun se baia eilha a squecer de ti i de cumo stás purparado para (re)ampeçar mais ua beç: un die han de crecer las yerbas mais que la cuonta, i mais cierta seinha nun haberá de que ua outra huorta yá scaba l hourtelano.

//

todos te dizem para não mexeres no sacho, mas sabes bem, ainda que o não refiras, que morrerás com a horta, de preferência se estiver na força da sua flor, pois assim poderá chegar ao fruto sem ti; à medida que vão ficando livres para o sacho, os mínimos bocadinhos de terra vais revolvendo fora de tempo, certo de apenas estares a provar a ti mesmo que cavar a terra é sempre o começo de uma nova vida, e por isso cavas e cavas e cavas até que a música dos ossos te ponha a tocar por todo o corpo; o país cabe-te na esfaimada reforma e tens os governantes bem presos na televisão, ali à mão para levarem com um tiro certeiro do comando, pois era assim que gostarias de os ver desaparecer: sempre lhe viveste nas costas, e desde muito cedo aprendeste que as costas muito raramente se vêm ao espelho; nem tu próprio acreditas em tão grande pilha de dias que já viveste, disseste-me, e apercebes-te melhor agora de que sozinho não chegarias tão longe, e por isso adoptaste uma maneira diferente de olhar e de alongar o silêncio, que é a tua maneira especial de agradecer; voltas agora ao sacho, a chamar a primavera, não vá ela esquecer-se de ti e de como estás preparado para (re)começar mais uma vez: um dia as ervas crescerão mais do que a conta, e mais certo sinal não haverá de que uma outra horta já cava o hortelão.

 

 

 

yerbas na ribeira

son cuordas adonde l’auga

toca la sue moda

//

ervas na ribeira

são as cordas onde  a água

sua canção toca

 

Próssima Páigina »