Outubre 2012


miras la casa i nun sabes se l sbarrulho aguanta cuntigo andrento, talbeç tu nun quergas ou nun seias capaç de la ber cumo un sbarrulho; ancostas te a las squinas mais fondas adonde nun bate l aire i las porrascadas nun déixan tan molido l sentido, tan húmadas las lhembráncias; nien un relampo te acende esta truniada, nien un truono te sperta las raízes adonde te buien las purmanhanas; dás te de cuonta de cumo l sbarrulho se te fui anfrisgando puls dies antigos i ls maçados de las piedras inda fázen relhuzir sues negras i an silenço oulían sues fondas brechas; ban ganhando mofo las piedras uas porriba las outras, strampalhadas a bulto, que nien sabes por adonde ampeçar a refazer las paredes, ou mesmo ousmar algo que s’apareça a ua planta adonde puodas zenhar las lhinhas por adonde han de cuntinar a benir ls dies; por agora speras que te póusen ls uolhos perdidos i te chéguen ls passos que se te scapórun para uns seclos, nien sabes se datrás ou de l feturo, para que outra beç te puodas botar al camino; nun bonda que tengas gana de bibir, perciso ye que le deias de quemer als dies que ende bénen, un de cada beç, que ye este un tiempo de quemido scasso i probe: solo assi poderan tener fuorça pa l camino, bien cúrtio que seia; l lhuito por ua bida que se t’acaba nun puode durar siempre, i nunca de ti poderás tener pena solo porque te morriste: bai aguçando ls uolhos, secando sues lhágrimas i zanferrujando las alas, que tamien un die s’acában ls delúbios que sien fin cuideste: ende tenerás que bolar porriba las augas i ls sbarrulhos, ls uolhos bien al modo para nuobas madrugadas; bidas, nien manginas quantas te poderan nacer, assi seias capaç de le abrir la puorta; l amor puode quedar agarrado ne ls cubos que l tiempo fui zenhando, un tiempo que te fizo, bien a salbo de ls brugos que te ruoben l sereno de las nuites: queda te inda nas pítulas que tráien siempre la primabera i nessa tue manha de nunca deixar las risas por arredundar i las palabras por regar.

<<<<<<<<<<<<<<<<<

olhas a casa e não sabes se as ruínas te aguentam dentro delas, talvez tu não queiras ou sejas capaz de a ver como uma ruína; encostas-te aos cantos mais profundos onde não bate o vento e as chuvadas não deixam tão moído o juízo, tão húmidas as memórias; nem um relâmpago te acende esta trovoada, nem um trovão te desperta as raízes onde te bebiam as madrugadas; apercebes-te de como as ruínas se te foram enfiando pelos dias antigos e as maçaduras das pedras ainda fazem brilhar as suas nódoas e em silêncio uivam as suas feridas profundas; vão ganhando mofo as pedras umas sobre as outras, espalhadas sem ordem, que nem sabes por onde começar a refazer as paredes, ou mesmo organizar algo que se pareça com uma planta onde possas desenhar as linhas por onde devem continuar a chegar os dias; por enquanto, esperas que te poisem os olhos perdidos e te cheguem os passos que te fugiram para uns séculos, nem sabes se do passado se do futuro, para que de novo te possas fazer ao caminho; não basta que tenhas vontades de viver, necessário é que dês de comer aos dias que aí vêm, um de cada vez, que este é um tempo de alimento escasso e pobre: apenas assim poderão ter força para o caminho, por muito curto que seja; o luto por uma vida que te acaba não pode durar sempre, e nunca de ti poderás ter pena apenas porque morreste: vai afiando os olhos, secando as suas lágrimas e desenferrujando as asas, que também um dia terminam os dilúvios que pensaste sem fim: aí terás que voar sobre as águas e as ruínas, os olhos preparados para novas madrugadas; vidas, nem imaginas quantas te poderão nascer, assim sejas capaz de lhe abrir a porta; o amor pode ficar preso nos cubos que o tempo foi desenhando,  um tempo que te fez, bem defendido dos vermes que te roem a placidez das noites: fica-te ainda nos rebentos que trazem sempre a primavera e nesse teu hábito de nunca deixar os sorrisos por arredondar e as palavras por regar.

debes te respeito,

stan na fin fuorças i gana:

nuoba bida ampeças.

(14/10/2012)

 

rosa ambaixo ls uolhos

debagaroso pestanhar:

nuite mal drumida.

 

 

 

puode ser la muorte

l dezir nó a ua bida:

outra nun habie.

 

 

 

senti suidades deste sítio, adonde bin tantas nuites i nunca habie stado tanto tiempo sien acá benir; ye un sítio assossegado, adonde pouca giente ben i l silenço se dá bien: un sítio mesmo al modo para falar cumigo mesmo, sien que tenga de dezir nada de amportante, muita beç pouco mais que oulá! a mim mesmo; se stou muito tiempo sien acá benir, hai l peligro de ls arqueólogos beníren porqui i inda ye mui cedo para esse eisercício de tratar cun piedras i outras cousas muortas: bendo bien, ye solo de me sentir bibo que perciso, meter-me pula bida al para dentro.