bás camino abaxo

i un suable oulor te prende:

frol de l’oulibeira

 

//

 

vais caminho abaixo

e um suave odor te prende:

flor da oliveira

sangre nun se bei
i ls choros yá se calhórun:
yerbas na muralha

//

sangue não se vê
e os choros já se calaram:
ervas na muralha

anho de cuntrairos:
cuntentos fazendo haikai
tristes cula troika

//

ano de contrários:
contentes fazendo haikai
tristes sob a troika

CASTANHAS

tengo un saquito de castanhas
que guardo de l mofo i de l bicho
i bou quemendo ua a ua

nun me zmuolen la dureç de ls dies
mas tráien me primaberas de castanheiros pul eimbierno
i zéinhan me ua outonhal cinta de la bielha de sabores

ua pena que se stéian a acabar

//

tenho um saquinho de castanhas
que guardo do mofo e do bicho
e vou comendo uma a uma

não me desfazem a dureza dos dias
mas trazem-me primaveras de castanheiros pelo inverno
e desenham-me um outonal arco-íris de sabores

uma pena que se estejam a acabar!

brancos os passos,
que nem rasto deixam;
negros os dias,
que só à janela do xaile se debruçam;
vagarosos os passos,
a apalpar a fúria do tempo;
sempre, e ainda hoje,
os paraísos nunca o foram!

//

brancos ls passos,
que nien rastro déixan;
negros ls dies,
que solo a la jinela de l xal s’assóman;
debagarosos ls passos,
a ampalpar la rábia de l tiempo;
siempre, i inda hoije,
ls paraísos nunca l fúrun

nada quieres recebir,

tenes cerradas las manos,

de tan rico de sobérbia,

tous pensares nun son sanos.

 

FR

inda alhínhan algues gastas piedras a acumpanhar l Douro, dun i doutro lhado, cumo quien s’achega a un dius, atadas a la punta de arressaiados carreirones cun miedo de se çfaiáren, respundendo por nomes de santos que nunca eilhi ponírun ls pies – San Paulo, Santo Andrés, Santo Albin; nunca quejírun saber de diuses que s’ancarrapítan ne ls cabeços, puis mais le cumbenien ls cielos de las Arribas, ls únicos berdadeiros, mais dóndios i serenos; ls eirmitanos yá puli nun ándan, mas inda ls beio a la selombra dua bielha oulibeira a amponer sous poemas de silenço i de delor, beladores de mundos que ne ls bielhos castros drúmen, molineiros de ouraciones i de fames; passei le la mano pulas piedras angurriadas de las paredes, i dei cumigo a manginar puortas, telhados, altares, solares, que todo l tiempo lhebou an sou saco: quedórun las formigas, l bolo de ls páixaros i de las lhembráncias, l siempre renobado béu de las aranheiras i de las nubrinas, las yerbas a marcar la primabera cun sous berdes, l fresco reçumar de ls morredeiros cun sou baile de cínfanos a la tardica, i la cama de piedra adonde las ribeiras ansáian l bruído que l’auga ha de tocar na ourquestra de l Riu; nunca naide morou naqueilhas capielhas, mas siempre ls eirmitanos fúrun casa adonde eilhas podíran caber, por esso se morrírun cumo todo l que ye houmano, zgrácia a que nien ls diuses le scapórun; deixadas a la serena rábia de l tiempo i a la fame de l matorral, aqueilhas capielhas yá solo rézan las lhembráncias, que hai ouraciones mui custosas, i até ls santos i ls que deilhes bíben yá nun stan para tanto sudor i solo le rézan a diuses adonde se puoda chegar de altemoble, que ye custoso d’aguantar tanta cuncorrença.

//

ainda alinham algumas gastas pedras a acompanhar o Douro, de um e outro lado, como quem se aproxima de um deus, presas na ponta de tortuosos carreiros com medo de se despenharem, respondendo por nomes de santos que nunca ali puseram os pés – São Paulo, Santo André, Santo Albino,; nunca quiseram saber de deuses que trepam ao cimo dos outeiros, pois mais lhe convinham os céus das Arribas, os únicos verdadeiros, mais suaves e serenos; os ermitões já por ali não andam, mas ainda os vejo à sombra de uma velha oliveira a compor os seus poemas de silêncio e de dor, sentinelas de mundos que nos velhos castros dormem, moleiros de orações e de fomes; passei a mão pelas pedras enrugadas das paredes, e dei comigo a imaginar portas, telhados, altares, chãos, pois tudo o tempo levou no seu saco: ficaram as formigas, o voo dos pássaros e da memória, o sempre renovado véu das teias de aranha e das neblinas, a ervas a assinalar a primavera com seus verdes, o fresco aflorar da água à superfície com a sua dança de mosquitos a tardinha, e a cama de pedra onde as ribeiras ensaiam o ruído que a água há de tocar na orquestra do Rio; nunca ninguém morou naquelas capelas, mas sempre os ermitões foram casa onde elas pudessem caber, por isso morreram como tudo o que é humano, desgraça a que nem os deuses escaparam; abandonadas à serena raiva do tempo e à fome do matagal, naquelas capelas apenas ainda rezam as lembranças, pois há orações muito difíceis, e até os santos e os que deles vivem já não estão para tanto suor e só rezam a deuses até onde se possa chegar de carro, que é difícil suportar tanta concorrência.

Follow

Get every new post delivered to your Inbox.